terça-feira, 28 de março de 2017

SINTONIA FINA

Ao meu amor
Mudo
Os sons graves no estetoscópio
O levante em arco dos pássaros
- Em bando -
Narrando em sons miúdos
O voo livre que há no ócio.

Ao meu amor
Mudo
A ligeireza singela dos pingos de chuva
O som evaporado em estado de nuvem
Que ninguém mais escuta.

Ao meu amor
Mudo
A cadência dos passos
Que o aguardam na varanda
E o volume de meus abraços
Que trazem beijos na garganta.

Ao meu amor
Mudo
A infância,
A agudez experienciada
Na fé das crianças,
E as vozes em voo de águia
Quando do balanço
Suas mãos forem a alavanca.

Ao meu amor
Mudo
A veemência metalizada
Dos sons do vento
A brisa bem breve
Das forças dadas
Pelo caminho que nos cria
O tempo.

Ao meu amor
Mudo
O silêncio,
O mais sereno dos contraltos:
Mesmo que em tons mais baixos
Há o luzir de seus passos, lentos.

Ao meu amor
Mudo
Meus vultos no espelho,
E meus poemas
- Todos -
Sem lei, de aço

A cadência dos versos
Que nele encontram
A cor dos sonhos
- Quando me deito -
A luz dos olhos
Quando acordado.

(08/03/17 - 19:50)