domingo, 1 de janeiro de 2017

TERRA DO SOL

Eu vi...
Teus olhos me atravessaram
Como no princípio

Mas não era rastro de fogo,
Foco de incêndio inflamando
O céu em fogos de artifício...

Era a chama mais íntima
De um fósforo
Que estivera a espera
Pela faísca mais exata
- E precisa -
A combustão espontânea
Prestes a se alastrar dos olhos
Para o além espaço e sem medida.

Eu sei...
Teus olhos sequer piscaram
Não desviaram um segundo sequer
Dos meus lábios
Foi como se me beijasse a boca
E tirasse de mim cada palavra
- inda sílaba -
Me oferecendo nos braços
O laço exato do aconchego
Que chegaria,
- apenas e a tempo -
Com a tua vinda.

E sequer tive medo
Sequer raciocinei
Ou criei expectativas...

Foi como se finalmente
- Das cinzas -
Todas as minhas instâncias
- Poesia e Poeta -
Estivessem renascidas.

Eu vi:
O fósforo
Teus olhos

A faísca.

Nenhum comentário:

Postar um comentário