quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

DI(A)LETO

Não importa o quanto
Escondas
O teu rosto
Ou enfeite a pele
Com as cores da irreverência.

Sei de teus olhos
- Escudos -
Do que segura entre as mãos
Quando fecha teus punhos
O que te desperta, pleno
Na madrugada
Insone.

Não,
Tua saudade não escorre
- Relampeja -
São segundos
Repartidos à milionésima parte
Dos teus sentidos...

Só percebe quem beija teus olhos
De palavra
E, minuciosamente,
Sabe lamber-te o juízo. 
(11/07/2014)

Nenhum comentário:

Postar um comentário