AUTO-ESTRADA

As estradas
São imóveis
Incalculáveis rotas
Nas curvas do desconhecido
Começam e terminam
No sentido
De quem as desenha
Consigo.

Não há lei
Direção proibida
Permitido estacionar
Mantenha-se à esquerda
Homens trabalhando
Acostamento em 100 metros

O trajeto
Guarda em si a noite
A manhã
E as estrelas dos faróis
Comprometidos de luz
Na escuridão
Como os olhos do tempo,
Nebular.

Não há provisão de chegada:
O ponto de partida
É contínuo
Como se ter estado aqui
Pudesse ser destino
De quem não irá voltar.

Não há tráfego
Ou sinalização
Uma daquelas placas
- Pisca-pisca -
Vermelho-azul turquesa
Conveniências ao preço
De um acidente
De percurso.

Ao condutor
Restam as dimensões
Táteis
De seus estímulos
- Futuros -
Sempre aventurados
No que ainda virá
Imprevisto.

Viver é um risco
Para poucos.
(2014)

Comentários

MAIS