POEMA DA VERDADEIRA VONTADE

Espia,
- Uma tarde dessas –
Experimenta abrir a janela
Sentir o ar puro
Que vem da menor brecha.

Respira sem pressa,
- Sem queixa –
Deixa o coração orbitar a desordem
Desavisada e serena
Da potencialidade divina
Que há em cada experiência.

Cuida de ver
O que teus olhos
Segredam à inconsciência
Lega nitidez à vasta crença
Que sempre te reergueu
Na lealdade e na justiça.

Não importa o que veja
- Não te desespera –
A fé não cega:
Ela antepara o esqueleto da queda,
É exata e precisa.
Sem esmero,
Embala a inspiração delicada
Das coisas mais vivas:
O sonho é o mais poderoso tentáculo,
O resgate mais íntimo do cosmos,
Quando tudo mais é impermanência.

Ignora a língua dos homens
Ditos canônicos
Inspira-te nos que verdadeiramente
Puderam exercer a dádiva de serem humanos.

Abarca cada dano
Como o recorte sobrenatural
Da multiplicidade inata do carbono.
Perdoa a crueldade de cada falta
- Cada ausência transmutada em pedra bruta -
Acalma a agudez da dor e da dúvida:
No engenho da escuta desse mundo sem respostas.

Abre teu coração à era da chance nova
Reinventa a função do nó na corda,
Solta com a palma das tuas mãos
O bem maior como desígnio:
Amor é fim
Mas é princípio.

Comentários

  1. Devido a correria do dia a dia , simplesmente deixamos de sentir as pequenas coisas, deixamos de sonhar,e aproveitar com calma a vida, belo texto!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

MAIS