AUTO DE SAGRAÇÃO


A liberdade é um céu de espinhos
em nuvens áridas
Secas
Secas
E esparsas.

A liberdade é um nó no linho
E na navalha, o punho...

Pálida,
Escorro sangue
Na grinalda.

A liberdade é o preço ganho
Do sem destino
Um terço a menos
Do que exprimo
Um dedo a menos
Em cada palma.

Ali a verdade é um peso
no estômago
do meu filho,

Todo verso meu
É um antigo delírio
Esquecido na fome do mendigo
Alimentado na mais soberana
Das faltas.

Comentários

MAIS