Pular para o conteúdo principal

AOS RECÉM-AVENTURADOS*

De tudo, ao meu amor serei atento antes,
E com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.


Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento.



Há ocasiões que incitam o poeta que há em cada um de nós, que despertam tal olhar, ainda que escondido sob esferas quase cegas de racionalidade. Esta a qual somos instruídos a evocar diante do arrebatamento que precede a inspiração, para ao invés de dizer o que sentimos, optar por externar o que é adequado, o que é convencional e comumente, o que fará pouca ou nenhuma diferença para quem diz ou para quem ouve. É neste instante que a palavra perde a força,  não salva-guarda sentimento, porta apenas burocrática, o sentido.

E é no ínterim do permitir-se observar (que não devemos confundir com o reparar), que surge a matéria-prima mais primordial mesmo da poesia, a simplicidade que legitima as palavras de um poeta, as que surgem de seu “fingimento sincero” ao apropriar-se da expressão divina encarnada no olhar do outro, no abandono absorto presente nos olhos de dois enamorados ou quiçá, desiludidos.

Não roguemos ao amor um prólogo que não lhe compete. Amor é produto, é construção mais voluntária do que voluntariosa, é doação ao credo já agradecido pelo simples fato de conceber o inexato gosto do futuro. Inexato porque abdicamos de suas bases no pronto instante de cada nova promessa.

Amor não é fortuna, tão pouco sucata furtada (ou fortuita) de desejo,
O Amor é um sempre vindouro logradouro da imprecisão, mas não muito além do que se precisa.

Mas mais ainda, o Amor é tudo o que ainda não é, pelo singelo direito que nós dá de vir a ser.

E o que advir dele já é amanhã,
Ainda,
Mas tanto!
E além!
Só,
Isso tudo
E apenas o começo!

Que venham os anos, os brindes e o desassossego constante da busca. E acima dela e de todo o resto, que permaneça a máxima do durante, do entremeio que justificará o finito dito tempo, embalado na eterna atemporalidade dos que por amor e apenas nele, ressurgem descritos em cada ato contínuo e simples da vida,
Para o bem subentendido,
Para além da palavra.


E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama
Eu possa me dizer do amor (que tive) :

Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.



Amor é ventura contínua.

*Aos então recém-casados, Bruno Parreiras e Alessandra Nogueira, meus primos e afilhados.
Foi nesse instante que voltei a acreditar que seria possível, sim, continuar.
(Em itálico, abrindo e fechando a reflexão, “Soneto da Fidelidade”, de Vinícius de Moraes)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POEMA ILUMINISTA

Não hei dizer do credo
Cruzes!
Eu, ao invés de abrandar ao clero
Divago no vulgo do verbo
E ergo-o sacro ao vão das luzes!

Não hei dizer do credo
Claro!
Se não me ouves!

Ouses dizer do que falo
E então far-se-ão em verso
As cores!

Não hei de dizer do cado
Enquanto não fores de fato iluminado
Na dúvida de teus outros amores!

PLANO DE VOO

Vivo de amortecer a queda
De minha tão insensata
Passionalidade.
Mas foi quando fiz do cárcere
Matéria-prima
Que voei pela primeira vez
E avistei à rima

Raro é pouso de minha pele
A ponto de não averbar circunstâncias
- Mas vivê-las -

E foi ali, em via aérea
Que toda noção de limite
Ressignificou-se no timbre da minha espera...

Por mais que eu possa avistar a terra
- Aqui de cima -
Estou em vias
De bastar-me
- Incrédula -
Sozinha.

Há quem diga
Que nem só de voar
Sobrevive à gravidade
A poesia...

Bobagem!


Há quem diga
Que nem só de voar
Sobrevive a saudade

Imaginada
Em cada rota linha.

O AMOR PRECEDE A EXISTÊNCIA

E se eu estendesse as tuas próprias palavras
E as lavasse do ritmo
Do timbre
Dos anos
E as apresentasse pra ti?

E se eu bradasse aos quatro cantos
O mesmo silêncio que exiges
Que seja escutado
Por entre intempéries e raios
E te pedisse pra me ouvir
Claro
E em alto e bom som?

E se eu usasse todos os meus dons
Para subverter a beleza que não se vê
Com os olhos
E batesse no peito com a humildade
De um cego
Mas te ferisse com meus dragões?

E se o bem que eu te fizesse
Viesse sempre a costurar-me a boca
A cruzar meus braços,
E se minhas bênçãos debochassem
Das tuas vestes e do teu hábito
Haveria como professar a fé
Sem que te sentisses um otário?