Pular para o conteúdo principal

PROFUNDO DE GARANTIA

Já não tenho lugar
Desde que passei a me ocupar
De coisa alguma.

Nasci com trabalho definido
Licenciada e com cadeira cativa
Em minha própria escrivaninha.

E desde então, tudo o que eu existo, escrevo.
Não tenho folgas ou feriados
É uma espécie de sacerdócio automático
Das minhas funções emocionais
Neurais-Cognitivas.

Se meus escritos viram obra?
Aí depende da posição dos tijolos
E do tipo de estrutura
Que estou a erguer
Ou a derrubar.
A escrita
É um ato de implosão
Ora controlado
Ora capaz de varrer qualquer vestígio da face que aterra.

Aterrador é ler a si
Egoísta mas indispensável
Ao exercício Lácio
Do ofício íntimo...

Quando me abstenho de escrever
Algo de vasto se exacerba diante de meus olhos
Embaçados de tanto ouvir ressoar frio.

Meu ar de inverno mais febril
É o relampejo de ideias tão desconexas
Que talvez não seja nesta vida
Que vingue de dissolver-me a língua
Em solução, de deixar ver os que verão
Primavera já extinta.

Ácida é a base de todo o sacrifício
Desta oferta de rotina
A escorrer lado a lado
Fosse gargalo
De micro-ácido-aspersão
- De meu destino -. 

Dispenso aparatos de guerra
E reparo em cada fera enjaulada
Às frestas da janela do avião.
Muitos dormem
Outros se acomodam no silêncio relativo de estar acima de tudo
Até mesmo dos abalos
Sísmicos.

Mas eu cismo em olhar de perto
O andar desordenado das aranhas caranguejeiras
Fossem venenosas, dizem, seriam as primeiras
A me predar tal um pagão.

Mas meu sangue tão escorrido
Dor perpétua, hemofílico
Atreve-se a produzir o soro antiofídico
Até contra o choro
Que dirá contra a queda de pressão.

Se as palavras me carregam?
Não, eu as levito.
As espio escorrerem livres por entre os livros
E sei, não me ocupo de dígitos.
Nasci amparada por des_contar
Histórias de punho a pulsar
Em punhados de decoro infinito.

E sim
Carrego comigo
Um amor
Não um sonho
De vivê-lo
Antes que possa morrer
No que prevê
O Outono.

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

PLANO DE VOO

Vivo de amortecer a queda
De minha tão insensata
Passionalidade.
Mas foi quando fiz do cárcere
Matéria-prima
Que voei pela primeira vez
E avistei à rima

Raro é pouso de minha pele
A ponto de não averbar circunstâncias
- Mas vivê-las -

E foi ali, em via aérea
Que toda noção de limite
Ressignificou-se no timbre da minha espera...

Por mais que eu possa avistar a terra
- Aqui de cima -
Estou em vias
De bastar-me
- Incrédula -
Sozinha.

Há quem diga
Que nem só de voar
Sobrevive à gravidade
A poesia...

Bobagem!


Há quem diga
Que nem só de voar
Sobrevive a saudade

Imaginada
Em cada rota linha.

POEMA ILUMINISTA

Não hei dizer do credo
Cruzes!
Eu, ao invés de abrandar ao clero
Divago no vulgo do verbo
E ergo-o sacro ao vão das luzes!

Não hei dizer do credo
Claro!
Se não me ouves!

Ouses dizer do que falo
E então far-se-ão em verso
As cores!

Não hei de dizer do cado
Enquanto não fores de fato iluminado
Na dúvida de teus outros amores!

O AMOR PRECEDE A EXISTÊNCIA

E se eu estendesse as tuas próprias palavras
E as lavasse do ritmo
Do timbre
Dos anos
E as apresentasse pra ti?

E se eu bradasse aos quatro cantos
O mesmo silêncio que exiges
Que seja escutado
Por entre intempéries e raios
E te pedisse pra me ouvir
Claro
E em alto e bom som?

E se eu usasse todos os meus dons
Para subverter a beleza que não se vê
Com os olhos
E batesse no peito com a humildade
De um cego
Mas te ferisse com meus dragões?

E se o bem que eu te fizesse
Viesse sempre a costurar-me a boca
A cruzar meus braços,
E se minhas bênçãos debochassem
Das tuas vestes e do teu hábito
Haveria como professar a fé
Sem que te sentisses um otário?