terça-feira, 29 de novembro de 2011

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

PONTO DE EQUILÍBRIO

Barroco
Tua voz arde
- Rouco –

No silêncio
A contrastar
                        En_ contraste


Eu,
Desencontro.

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

SÓ_LETRANDO

Tem um espaço curioso
Em meu esboço
Quase fosse possível
Revirar o poema.

Sou avessa ao óbvio
- Como quem sente e simplifica -

Na verve há alma...

Não há na sílaba.

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

PARTE DE MIM

Não te espero
Porque te carrego
Íntegro
- E circunspecto -
Em cada frágil repetida frase
Quando coragem te é um verbo.

Não te espero
Porque a distância é exata
Entre o corpo teu que reage à palavra
E o amor meu que te elege, ereto!

E é por sempre estares perto
Que aperto o punho
E te faço um verso
Ora mil, ora cem
- Ora sem ti -
Te sei,
- Só, rezo -
E se é hora de dormir
Embalo a alma que deixaste aqui
Entregue à calma que te sabe
                                             Eterno.

terça-feira, 1 de novembro de 2011