ANTES TARDE

A poesia, meu caro
Não é um dado exato
Tão pouco um espelho bem virado para os teus olhos.

Se te digo que são teus
- Os poemas -
E neles não te vês
Penso que talvez
Falte mesurar-me
- Para além do traço teu em minha carne -
Ainda que me temas
- Como tua -
A cada vez.

Meu tema
Tu e teus olhos a esverdear fonemas
Tuas crises
Teus acessos de sinceras e abruptas barreiras
Teu ser de lua sensível em fuga
Mas tão elouqüente
Quanto o ciúme que te brota premente
- Em rara coragem -
A vagar doses súbitas.

Subo ao palco
E escancaro teus traços
Na minha escrita
Me atiça e me corre
Mas não me foge
Na cama
É beira
É briga
À beira de um ataque
- Desejo -
Eu te provoco
Eu te rogo
Mas não te beijo
Acaso sou eu de dividir o imenso?

Não te esqueço...
Mas se não és meu
Finjo que o és
                      E te cedo.

Comentários

MAIS