TRAVESSIA

Sei que desperto teu amor é quase medo
Por isso te embalo
No peito
E seco teu pranto
No verbo
- Não na noite -

Dorme, bravo pirata insone
Adormece cada dor enjaulada
E cala no teu canto
A voz tão clara que não te some
(é palavra!)

Tanto sei
Do que não há de dizer
Em meu nome...

Mas te carrego de afeto
E te liberto,
Confesso!
Antes que queira te viver em meu léxico
Ou te ter como meu homem.

Dorme, meu bem
Inda é ontem...
Amanhã é um porém
Mas para bem além do trem
Há a ponte.

Comentários

  1. O amanhã de fato é um porém, mas também sempre travessia, assim como as palavras que nos atravessam sem pedir licença, se increvem e escrevem nossas histórias...

    Mônica Parreiras

    ResponderExcluir
  2. Amei! Melhor ainda: conheço a versão dos fatos. ;) Bravo!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

MAIS