OBaSTANTE

Cada coisa em si encerrada
guarda a vulnerabilidade esquecida
na liberdade do nada.

Comentários

  1. Mas se cada ideia não pode ser esquecida,
    se cada dito guarda em si o não dito,
    se cada coisa revela seu avesso em ruído,
    se em cada silêncio eu tenho o grito...
    (E se cada anônimo postasse um poema esquecido?)
    Quisera deixar meu escafandro no mar...
    E voltar borbulhando em palavras inéditas de uma língua desconhecida...

    obs. Este, não quis assinar =P
    Gosto muito de seus poemas!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

MAIS