Pular para o conteúdo principal

SOBRE VOO

Pode parecer estranho, mas me dá uma certa satisfação quando ouço o comandante avisar pelos alto-falantes que estamos prestes a entrar em uma área de turbulência. Não sei se é por ter plena convicção de que instabilidade eu tiro de letra, ou pela possibilidade de ser preparada e avisada de que ela se aproxima.


Pra começar, ter um "comandante" a frente das decisões, assegurando o meu bem-estar e de toda uma tripulação de desconhecidos, já é privilégio, uma novidade no mínimo: Cada pormenor de responsabilidade da minha vida, é de minha absoluta escolha, conta e risco, como tudo que se acopla aos meus hábitos e interações.


Por vezes, tenho a ilusória sensação de que sou só e me basto, de que multiplicar/dividir esse "número", causa "bugs" de convivência ao meu redor. Tenho dias de estar com o bloco na rua, vestida a caráter, irremediavelmente viva. Mas também, calho de anoitecer singela, me resgatando anônima até para meus próprios pensamentos.


Vez ou outra me canso de escrever e só me deito a coroar possibilidades, desenfrear novos planos tardios, vazios, ou nem tanto. Aliás, pouco antes de adormecer profundamente é que me pego em idéias das mais absurdas, todas súbitas e circunstancialmente absolutamente realizáveis. Isso até eu conseguir dormir.



No sono surgem as inseguranças, os medos do que parece ser divino, o apego à minha própria solidão. Eis que acordo (de novo!) um SER INDIVIDUAL, ainda que sempre falando ao telefone, contando mil histórias mágicas, ouvindo tantas outras e sempre carregando comigo uma porção dos que amo. E é dos que amo mesmo: Ainda que não me saibam, ainda que não me amem em alusão de reciprocidade.



Pra mim o amor é uma instância, de fato, solitária. Se ama na presença, de modo absolutamente diverso de como se ama na saudade, na impossibilidade dos corpos, ou do "alinhamento dos astros". O AMOR ACOMPANHADO é um delírio de dias contados.



Por isso vou contando cada dia e fazendo a minha história, cá no papel. Documentados no meu desejo, estão a luz e a angústia, o gosto e o sagrado, o bem-querer liberto da premissa do razoável - instância cognitiva da limitação do homem.



O que não posso, adormeço, quase recalco, mas não esqueço do que fala alto à minha pulsão.

Eu sempre temo, mas me preparo, o destino é um para-raios que corta os céus como este avião.



"Com sua atenção, senhores passageiros: estamos prestes a entrar em uma nova área de instabilidade. Mantenham seus cintos de segurança afivelados e fiquem atentos aos sinais luminosos..." .


Sinais luminosos... Em pensar que tudo começou com um aviso de turbulência.


(Voo Recife/Rio - 27/12/10)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PLANO DE VOO

Vivo de amortecer a queda
De minha tão insensata
Passionalidade.
Mas foi quando fiz do cárcere
Matéria-prima
Que voei pela primeira vez
E avistei à rima

Raro é pouso de minha pele
A ponto de não averbar circunstâncias
- Mas vivê-las -

E foi ali, em via aérea
Que toda noção de limite
Ressignificou-se no timbre da minha espera...

Por mais que eu possa avistar a terra
- Aqui de cima -
Estou em vias
De bastar-me
- Incrédula -
Sozinha.

Há quem diga
Que nem só de voar
Sobrevive à gravidade
A poesia...

Bobagem!


Há quem diga
Que nem só de voar
Sobrevive a saudade

Imaginada
Em cada rota linha.

POEMA ILUMINISTA

Não hei dizer do credo
Cruzes!
Eu, ao invés de abrandar ao clero
Divago no vulgo do verbo
E ergo-o sacro ao vão das luzes!

Não hei dizer do credo
Claro!
Se não me ouves!

Ouses dizer do que falo
E então far-se-ão em verso
As cores!

Não hei de dizer do cado
Enquanto não fores de fato iluminado
Na dúvida de teus outros amores!

O AMOR PRECEDE A EXISTÊNCIA

E se eu estendesse as tuas próprias palavras
E as lavasse do ritmo
Do timbre
Dos anos
E as apresentasse pra ti?

E se eu bradasse aos quatro cantos
O mesmo silêncio que exiges
Que seja escutado
Por entre intempéries e raios
E te pedisse pra me ouvir
Claro
E em alto e bom som?

E se eu usasse todos os meus dons
Para subverter a beleza que não se vê
Com os olhos
E batesse no peito com a humildade
De um cego
Mas te ferisse com meus dragões?

E se o bem que eu te fizesse
Viesse sempre a costurar-me a boca
A cruzar meus braços,
E se minhas bênçãos debochassem
Das tuas vestes e do teu hábito
Haveria como professar a fé
Sem que te sentisses um otário?