EXTINTOR

Chegou o temido ponto do "sem palavras"
Do arrebatamento súbito pelo silêncio.

E eu, em respeito,
Me calo.

Meu poema é um breve braseiro
A incinerar em novos termos
O não-dizer do pleito a salvo.

Comentários

  1. Adorei. Tinha escrito um belo comentário para este seu poema e perdi. quando o internet explorer resolve surtar, somos obrigados a surtar no mesmo tom. Estou desolada. Impossível reproduzir. Saudade de vc. Bj

    ResponderExcluir
  2. chama que inflama e que clama por melodias distantes.

    O silêncio eloquente é desejavel.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

MAIS