POEMA-DE-LEI (para meu pai)

Atento o Desatino
Assovia derramado
Seu suor em ser menino
A marcha é seu arrimo
Mas mancha o assoalho!

Atento o Desatino
Desafiou o tal vigário.

Atento o Desatino
Desatou-se em ser soldado
Incendiou-se no destino
Destinou-se a ser cedinho
Eis que vingou
Não virou fardo.

Atento o Desatino
Atenuou-se no ideário.

Comentários

  1. Querida e amada Filha,
    Ter um Poema em sua homenagem é motivo de muito orgulho e honra, quando essa Poeta é sua Filha torna-se um sentimento inigualável. Somente quem conhece nossa origem e história poderia transformar nossa existência em versos. Os seus enalteceram ainda mais nossa tragetória. O vigor de suas palavras e versos traduzem e valorizam nosso passado, você é a prova dele.
    Meu orgulho e amor incondicional.
    Luiz Parreiras

    ResponderExcluir

Postar um comentário

MAIS