LIQUIDEZ CARMIM

É tarde
E no vazio do copo perambulo sonolenta
Como o caos a me embeber tão lento
E então a letra!

Dou um gole na água santa
E rogo às outras putas a minha sede
- O meu engasgo-coldre –
Arma pronta a explodir miolos em vão!

E o pão
Mastigo intermitente
E temo – o cano entre os dentes –
Engolir o estilhaço de meus festins todos...

Boca pra fora
Fora da boca
Os ossos no espelho não desfocam o olhar do outro,
Nem da louca!

E eu espero, abençoada
A anágua e a dádiva do esmero
Por entre a dúvida, me ponho absoluta
Solúvel na liquidez afônica
Da rubra blusa e não carmim.

É ácido-base e não festim!
E tenho dito, eu alvo-aliviado
O que vinga não vem do a salvo
Mas advém do que sangra em mim!

Comentários

MAIS