AFAGO NA LIRA

Eu hei de errar
E cair
Até o poço dos pés
arrefecer
E se for de doer
que desdobre
A poesia, irmão
É aquele tropeço sôfrego
Safado
É um laço no ego
É o pescoço encerrado
de mágoa
E excesso.

Por isso escorro da santa à puta
Penduro a afronta nas ancas
E hasteio-as juntas na luta!

Sequer julgo as condutas
Sequer conduzo-as tão lúcidas...

O tombo principia a forca e o berço
Nos pés mais amarras de aço
Do poço a síntese do beijo.

Comentários

  1. Ai o beijo... De fato é um poço sem fundo, mas sintetiza tantas emoções!!!

    "Por isso escorro da santa à puta
    Penduro a afronta nas ancas
    E hasteio-as juntas na luta!"

    E que luta infindável, mas sempre necessária...

    ResponderExcluir
  2. Lindo Naty, vc sabe que adoro esse seu poema, já te disse. Parabéns!!! :)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

MAIS